domingo, 2 de dezembro de 2018

Vem ai o UFO SUMMIT - BRAZIL 2018....

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Objeto interestelar pode ter sido enviado à Terra por alienígenas.

Dois cientistas do Centro de Astrofísica de Harvard acreditam que o ‘Oumuamua’, objeto interestelar visualizado no ano passado com ajuda de telescópios, pode ter sido enviado ao nosso Sistema Solar por alienígenas. Abraham Loeb e Shmuel Bialy, autores do estudo, levantaram a hipótese em artigo publicado na quinta-feira (1), quando tentavam explicar a aceleração do objeto.

O Oumuamua é um objeto raro: de acordo com o estudo, é o primeiro do tipo a entrar no nosso sistema solar. Ao tentar explicar seu deslocamento, os astrofísicos admitiram a possibilidade de que a rota do Oumuamua tenha sido direcionada, e não aleatória.

“Pode ser (parte) de uma sonda totalmente operacional enviada intencionalmente para as proximidades da Terra por uma civilização alienígena”, dizem os autores.

Três hipóteses para o Oumuamua
O físico, Renato Vicente, da Universidade de São Paulo (USP), explica que a hipótese de uma origem alienígena para o objeto tem relação com o fato de os telescópios terem flagrado algo muito raro.

De acordo com Vicente, a visualização da passagem do objeto pode significar três coisas:

1)Que muitos outros objetos do mesmo tipo circulam pelo espaço, e as atuais teorias que usamos para explicar sua existência não se aproximam do número real deles.

2)Que o objeto é mesmo raríssimo e tivemos muita sorte de ver um deles

3)Que ele seja um objeto artificial, por isso a hipótese de que seja um produto de origem alienígena é compativel

"Ao longo do período de tempo que estamos observando (o espaço interestelar), que é curto, a produção (criação de objetos do tipo) deveria ser, no mínimo, 100 vezes maior para que pudéssemos conseguirmos ver um." - Renato Vicente, vice-presidente do Instituto Principia

Vicente faz, no entanto, algumas ressalvas. “A explicação do objeto artificial parece fácil, mas não é. Envolve uma história anterior. Para ter uma civilização capaz disso, é preciso assumir que existe essa evolução numa sociedade, com a capacidade de fazer viagens interestelares. E a gente tenta assumir a menor quantidade de coisas possível”, lembra.

Explicação para o deslocamento
Na pesquisa, os astrofísicos de Harvard discutiram a possibilidade de que a pressão da radiação solar poderia estar por trás da aceleração do Oumuamua. Se esse for o caso, então o objeto “representa uma nova classe de material interestelar fino, ou produzido naturalmente, ou de origem artificial”, afirmam os autores do estudo.

Segundo eles, o Oumuamua tem um formato de panqueca.

“Considerando uma origem artificial, uma possibilidade é de que o ‘Oumuamua’ seja uma vela solar, flutuando no espaço interestelar como detrito de um equipamento tecnológico avançado" - Abraham Loeb e Shmuel Bialy, autores do estudo

A tecnologia de vela solar pode ser utilizada para transporte de cargas entre planetas ou entre estrelas, conforme afirmam os cientistas. No primeiro caso, lançamentos dinâmicos vindos de um sistema planetário poderiam resultar em detritos de equipamentos que não estão mais em operação. Isso, dizem os pesquisadores, poderia explicar várias anomalias do ‘Oumuamua’, como a geometria pouco comum.

"Velas solares com dimensões parecidas já foram construídas pela nossa civilização, incluindo o projeto Ikaros [no Japão], e a Iniciativa Starshot”, lembram.

A vela solar é o que faria o objeto continuar acelerando em sua trajetória mesmo depois de passar pelo Sol, explica Renato Vicente.

“O objeto vem de fora do Sistema Solar. É como se fosse passar direto pelo Sol, mas o efeito gravitacional faz com que faça uma trajetória em volta do Sol. Conforme se aproxima do Sol, ele dá uma acelerada enquanto perde massa no sentido oposto. O problema é que, quando está indo embora dessa trajetória, começa a perder massa no mesmo sentido, então você espera que ele desacelere. Em vez disso, acelera. A gente não conhece nenhum mecanismo natural que faça isso. Um mecanismo artificial é a vela”, diz.

Segundo a CNN, vários telescópios focaram no objeto por três noites para determinar o que ele era antes que se perdesse de vista.

“Nós tivemos muita sorte de que o nosso telescópio de levantamento do céu estava olhando para o lugar certo na hora certa para capturar esse momento histórico”, afirmou o oficial da Nasa Lindley Johnson no ano passado.

Fonte: Globo.com / G1

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Tesla do Elon Musk lançado ao espaço pela SpaceX já passou de Marte

O manequim Starman e o Tesla Roadster da SpaceX já viajaram além de Marte. A SpaceX compartilhou um diagrama do carro que já foi dirigido por Elon Musk, indicando que ele agora passou do Planeta Vermelho.

Compartilhando a posição atual do Starman em um diagrama no Twitter, a SpaceX fez referência à série O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams, adorada por Musk (o "restaurante no fim do universo" se refere ao segundo livro da série). O painel do Roadster também tem uma referência ao Guia do Mochileiro das Galáxias, como apontado pelo Space.com: as palavras "Don't Panic" no painel também apareceram em uma capa do romance.

A SpaceX lançou o Tesla Roadster e seu passageiro inanimado ao espaço como carga do lançamento inaugural do foguete Falcon Heavy, em fevereiro deste ano, um feito que foi visto por muitos como um golpe de publicidade de Musk.

"A carga será o meu Tesla Roadster tocando Space Oddity", tuitou Musk em dezembro, antes do lançamento. "O destino é a órbita de Marte. Ele estará no espaço por um bilhão de anos, mais ou menos, se não explodir na subida."

O antigo carro de Musk não é a única coisa que ele pretende lançar no espaço. Em outubro, o CEO tuitou que donos de carros Tesla poderiam indicar um amigo a comprar um carro da fabricante e "ter a imagem que quiserem gravada em vidro com laser e enviada ao espaço por milhões de anos" (Musk depois acrescentou que não existe restrição ao tipo de imagem que pode ser enviada, o que certamente fará aparecer algumas preciosidades).

O Roadster passou de Marte cerca de nove meses depois do lançamento inicial, mas não ficará lá. Segundo o Space.com:

O Roadster e o Starman chegarão a algumas centenas de milhares de quilômetros do nosso planeta em 2091, de acordo com um estudo de modelagem de órbita. Os autores desse estudo determinaram que o carro irá colidir com Vênus ou com a Terra, provavelmente dentro das próximas dezenas de milhões de anos. Eles dão ao carro espacial uma chance de 6% de atingir a Terra no próximo um milhão de anos e uma chance de 2,5% de atingir Vênus neste mesmo período.

Considerando que, basicamente, não existe chance alguma de que essa coisa possa ser dirigida novamente, está tudo bem.

Fonte: Gizmodo Brasil

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Vem ai o ...IV Encontro de Ufologia da Acp ufo.

Realização: ACPUFO

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Vem ai o XXIII Encontro de Grupos de Estudos Ufológicos do Sul


XXIII EGEUS XXIII Encontro de Grupos de Estudos Ufológicos do Sul = Caçapava do Sul = = 10 e 11 de novembro de 2018 = Os Egeus são eventos itinerantes e trimestrais do MGU, organizados pelo(s) grupo(s) da cidade sede onde está sendo realizado, tendo o apoio da Coordenação do Movimento Gaúcho de Ufologia, MGU. A nossa presença representa a força e o comprometimento em prol de nossos objetivos. Temos que assumir nosso papel como integrantes ativos de um Movimento determinado a trabalhar cada vez mais pela investigação, divulgação e compreensão do Fenômeno UFO. Local: Escola Estadual Dinarte Ribeiro Endereço (referência): Rua 15 de novembro, em frete da Igreja Matriz. Ingresso: 1 Kg de alimento não perecível a ser enviada, pelos anfitriões, a uma instituição carente da localidade. Promoção: Grupo de Estudos Ufológicos de Caçapava do Sul - GPUC Apoio: Movimento Gaúcho de Ufologia - MGU. Secretaria de Cultura de Caçapava do sul PROGRAMAÇÃO Sábado (01/04) 13h - Recepção ao público (venda de ingressos) e aos grupos agregados ao MGU. 13h50min - Abertura - Boas-vindas à comunidade da região de demais presentes (Palavras dos anfitriões). 14h- Apresentação do MGU (Coordenação). 14h50min - 1ª Palestra: Uma análise de fenômenos de natureza ufológica na região de Caçapava do Sul.

RESUMO O palestrante fará uma breve análise de fenômenos de naturezas ufológica na região de Caçapava do Sul, quanto aos aspectos regionais referentes as áreas de maior incidência e repercussões psíquicas e espirituais em testemunhas. Também irá abordar suas interações com testemunhas e troca de informações em trabalhos com adultos, adolescentes e crianças, além da análise de fatos desta áreas e ligações com as mudanças planetárias e o fortalecimento do Reino dos Céus em nós.

PALESTRANTE: Elver Teixeira O palestrante é Geólogo e Professor de matemática nos Ensinos, Fundamental e Médio, há quase 33 anos. É trabalhador espírita há 35 anos. Formado em Geologia pela UNISINOS, em 1982 e no curso para o magistério pela UFSM, em 1990. Há 54 anos, realiza estudos e análises de fenômenos e eventos no céu e em terra, em toda a região de Caçapava do Sul. Em 2017 identificou um meteorito siderito, (portanto extraterrestre), encontrado na região de Caçapava, que posteriormente foi enviado para à Dra. Maria E. Zucolloto, do Museu Nacional, recebendo o certificado de: Meteorito Caçapava do Sul. Criou nesta região do Pampa, em 24 de fev/2004, na Secretaria de Turismo, o UFOTURISMO. Em 20 de dezembro de 1995 fundou o GPUC (Grupo de Pesquisas Ufológicas de Caçapava do Sul. Trabalha com os artesões, produzindo artesanato ufológico desde 2015. Proferi palestras com temas ufológicos em rádio, jornais, TV e escolas da região, bem como na UNIPAMPA. Realiza pesquisas ufológicas, baseadas em dados obtidos em campo, focados principalmente no município de Caçapava do Sul.

15h30min - Espaço aberto ao público para perguntas. 15h45min - Intervalo (coffee/tea break) 16h05min - 2ª Palestra: As intenções das inteligências estelares que nos visitam há milênios. RESUMO São várias as civilizações estelares inteligentes que nos visitam. A palestra irá discorrer sobre as principais delas, as mais diversas intenções destes visitantes e o que praticam e ainda irão praticar em nosso planeta, atuando, secretamente, em convívio com a humanidade. Nossos comportamentos, atitudes e concepções estariam sendo influenciadas como consequência de suas intenções? PALESTRANTE: Carlos Odone da Costa Nunes
Mestre em Educação em Ciências e Matemática, Engenheiro Químico e Químico pela PUCRS. Professor de Química aposentado do Colégio Militar de Porto Alegre e do Colégio Estadual Júlio de Castilhos. É pesquisador na área de Ufologia há mais de vinte anos. Realiza, periodicamente, pesquisa de campo e vigílias, como também, entrevistas com ufólogos e pesquisadores nacionais e internacionais, coletando informações e depoimentos para a Revista UFO. Dedica-se ao estudo e à pesquisa ufológica holística, aprofundando seus conhecimentos por meio de bibliografia especializada na área científica-espiritualista. Participa, como conferencista, em Congressos e Encontros Ufológicos e Holísticos, em nível Regional e Nacional. É membro fundador e um dos coordenadores do Grupo ALDEBARAN de Investigações e Debates Ufológicos (GAIDU) e presidente do Movimento Gaúcho de Ufologia (MGU). É membro do Centro Brasileiro de Pesquisa de Discos Voadores (CBPDV), membro da Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU), membro do Instituto Brasileiro de Exopolítica (IBEXO) e Consultor Especial da Revista UFO, 16h45min - Espaço aberto ao público para perguntas. 17h - 3ª Palestra: "Objetos Fora de Lugar": evidências de contato extraterrestre?

RESUMO "Objetos Fora de Lugar", conhecidos também pela sigla em inglês OOPArts ("Out of Place Artifacts"), são objetos que não se encaixam com a narrativa científica atual, seja por mostrarem uma tecnologia superior à possível no período histórico a que pertencem, seja por mostrarem evidências da presença humana em épocas muito anteriores à aceita. Serão mostrados vários desses objetos, o que a ciência oficial fala sobre eles e as interpretações alternativas.

PALESTRANTE: Anne Santos do Amaral
Médica Veterinária, formada na Universidade federal de pelotas, Mestrado na Universidade Federal de Santa Maria, doutorado na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus Botucatu. Docente de clínica de pequenos animais da Universidade Federal de Santa Maria desde 2007. Acadêmica de direito na mesma universidade. Apaixonada por ufologia desde sempre, pesquisadora do tema há quase dez anos. 17h40min - Espaço aberto ao público para perguntas. 18h - Encerramento. ATIVIDADES para os GRUPOS, ufólogos e pesquisadores independentes, agregados ao MGU 19h30min - Jantar de confraternização (opções): Restaurante LE Marco Restaurante Urbanus 21h30min - Vigília noturna Local: Cerro dos Andrades DOMINGO (02/04) Reunião do MGU com todos os grupos, ufólogos independentes e pesquisadores agregados presentes. (não aberta ao público) Local: Museu Municipal Endereço: Rua 15 de novembro, em frete da Igreja Matriz.

PROGRAMAÇÃO 10h– ABERTURA com a coordenação do MGU. Leitura da Ata da reunião anterior. 10h30min - Espaço aberto para apresentação de novas entidades pretendentes a agregarem-se ao MGU. 10h45min - Participação dos grupos presentes: Cada grupo faz sua rápida apresentação (5min), identificando-se e relatando suas atividades, bem como pesquisas e estudos de temas que estão sendo tratados internamente e propostas a serem encaminhadas. , 10h30min - Temas a serem abordados, com deliberações. 12h - Avaliação do EGEUS, sugestões e indicações de locais e datas para os próximos EGEUS. 12h30min - Encerramento. Estadia HOTEL KARLTON Reservas: (55) 32816255 Diárias: 1 pessoa - R$70,00 a R$80,00, c/ ou s/ ar cond. 2 pessoas - R$130.00 a R$150,00 Inclui café manhã, garagem e net. HOTEL RESIDENCIAL Reservas: (55) 32811671 - Cel: (55) 996811671/984092714. Diárias: 1 pessoa - R$70,00 2 pessoas - R$120,00 com ar cond. e café manhã. POUSADA CHÁCARA DO FORTE Reservas: (55) 981335792, com Rita ou Erni. Diárias: Casal - R$140,00 Individual - RS80,00. inclui café da manhã.

Realização: Grupo de Estudos Ufológicos de Caçapava do Sul - GPUC

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Primeiro voo da SpaceX com astronautas será em junho de 2019.

A agência espacial americana anunciou, ontem, quinta-feira (5), que espera o primeiro voo de um foguete SpaceX com dois astronautas para a Estação Espacial Internacional (ISS) para junho de 2019, o que seria um marco.

Um voo tripulado em uma nave projetada pela Boeing deve segui-lo em agosto de 2019, segundo a Nasa.

O calendário sofreu muitos adiamentos, como acontece frequentemente no campo do espaço. A Nasa agora pretende informar mensalmente sobre esses prazos.

"No entanto, as datas de lançamento continuam incertas, e prevemos que elas poderão mudar à medida que nos aproximarmos dos lançamentos", disse Phil McAlister, diretor de voos privados da Nasa.

"Esses são novos dispositivos, e as equipes de engenharia ainda têm muito trabalho a fazer antes que os sistemas estejam prontos para voar", acrescentou.

Ambos os voos são considerados testes: os dois astronautas transportados por cada sistema passarão duas semanas a bordo da ISS e depois retornarão à Terra.

A longo prazo, a Nasa usará a SpaceX e a Boeing para levar os astronautas à ISS para missões regulares, que duram cerca de seis meses.

Antes desses dois testes tripulados, a SpaceX realizará um voo não tripulado em janeiro de 2019 e a Boeing, em março de 2019.

A SpaceX usará seu foguete Falcon 9, no topo do qual a cápsula Crew Dragon será anexada.

Atualmente, a empresa utiliza uma primeira versão da cápsula Dragon para transportar suprimentos para a estação espacial.

Quanto à Boeing, sua nave Starliner será lançada ao espaço pelo foguete Atlas V da United Launch Alliance, fabricante histórica de foguetes do governo dos Estados Unidos, que agora é uma joint venture entre a Lockheed Martin e a Boeing.

A partir de 2011, a Nasa foi forçada a enviar seus astronautas para a ISS em naves russas Soyuz.




Fonte: MSN

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Astrônomos procuram por sinais de vida alienígena em Andrômeda.

Um grupo de astrônomos deu os primeiros passos na busca por vida alienígena na galáxia de Andrômedra, como parte de uma nova pesquisa.

O projeto, chamado Trillion Planet Survey, está sendo organizado pela University of California, e acredita que se há uma civilização além da nossa que está enviando sinais pelo espaço, é possível encontra-los.

O time está buscando por transmissões de uma civilização similar ou mais avançada que a nossa, acreditando que ela possa estar enviando sinais de sua presença através de feixes ópticos, segundo um comunicado emitido pelos cientistas. Isto é conhecido como Optical SETI (Busca por Inteligência Extraterrestre, em tradução livre).

Baseados em um estudo de 2016 realizado por Philip Lubin, líder do projeto, a equipe realiza a busca apoiada na ideia de que há outra civilização que ainda não nos conhece, mas está tentando fazer contato.

Eles acreditam que, através de fotônica (a ciência da geração, emissão, transmissão, modulação, processamento, amplificação e detecção da luz), seria possível criar uma luz brilhante a ponto de ser vista por todo o universo. Seus esforços estão concentrados na galáxia de Andrômeda (também conhecida como M31) para encontrar a luz.

Utilizando uma série de imagens tiradas pelos telescópios que observam o local, eles vão criar uma foto única da galáxia e, então, compará-la com outra imagem tirada em outro momento. Se as fotos exibirem diferenças, poderá ser um indicativo de que algum sinal está sendo transmitido.

Como Andromeda está a 2,5 milhões de anos luz de nós, qualquer sinal detectado terá sido enviado há pelo menos 2,5 milhões de anos atrás – tempo suficiente para que a civilização já tenha chegado ao fim. Mas o time acredita que o risco é válido, de qualquer forma, inclusive com baixas chances de sucesso.

A equipe apresentou a pesquisa no workshop de assinaturas tecnológicas da NASA, em Houston – o mesmo workshop em que a agência espacial norte-americana discute se deve ou não voltar a buscar vida alienígena inteligente, algo que não é feito desde 1993.