terça-feira, 25 de novembro de 2014

'Ferrari do espaço' cria melhor mapa de correntes oceânicas já feito.

Um satélite apelidado de "Ferrari do espaço" produziu o modelo mais preciso de circulação oceânica já elaborado, impulsionando a compreensão a respeito dos mares e sobre um efeito-chave do aquecimento global, afirmaram cientistas nesta terça-feira.

Dados enviados pelo Explorador do Campo Gravitacional e da Circulação Oceânica (GOCE) "mapeou variações na gravidade da Terra com uma precisão incomparável", informou a Agência Espacial Europeia.

Isto abriu o caminho para "o mais preciso modelo de correntes oceânicas feito até agora".

Marie-Helene Rio, do Instituto de Ciências Atmosféricas e Climáticas da Itália, informou que os dados "darão uma nova compreensão altamente valiosa" sobre os oceanos.

Os dados do GOCE ajudaram a criar o mais preciso "geoide", ou reconstrução da Terra segundo formada pela gravidade.

Em termos práticos, o trabalho cria uma média hipotética do nível do mar, um marco crucial para medir a elevação dos oceanos, provocada pelo aquecimento global.

Em setembro, cientistas holandeses revelaram ter conseguido medir a perda de gelo no oeste da Antártica com uma precisão sem precedentes, graças a pequenas variações na gravidade antártica registrada pelo GOCE entre novembro de 2009 e junho de 2012.

Posto em órbita em 2009, o GOCE se desintegrou durante a reentrada na atmosfera terrestre em novembro do ano passado, após ficar sem combustível.

Ele orbitou a Terra a uma altitude de 260 km, e depois baixou para 224 km, a menor para um satélite de pesquisas.

Sua combinação de design elegante e estabilizadores, projetada para garantir estabilidade na atmosfera, lhe rendeu o apelido de "Ferrari do espaço".

A missão, de US$ 430 milhões, durou duas vezes mais que os 20 meses inicialmente previstos.

Fonte: UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário