terça-feira, 23 de agosto de 2011

Entrevista com Pat Uskert do programa Ufo Hunters.

Essa entrevista foi feita por e-mail entre o final de 2009 e início de 2010. Alguns acontecimentos históricos podem divergir do momento atual em decorrência do período em que a entrevista foi feita. Desde já agradecemos a gentileza de Pat Uskert por responder algumas perguntas.


GEUC-RS:  Pat, para começar, fale um pouco sobre você.

PAT: Eu acho que sou apenas um cara tentando passar por esta vida, e dar sentido a este mundo louco. Eu não gosto de áreas nebulosas na realidade em que vivo, por isso tento obter respostas concretas quando eu posso, e o tema UFO é uma dessas áreas que são muito confusas. Digo, os aliens estão aqui ou não? Existem astronautas, pilotos e oficiais militares de alta patente que dizem que UFOs são reais, isso me incomoda. Não é possível sentar e rejeitar seus testemunhos.

Minha filosofia é de que todos nós devemos fazer aquilo que queremos fazer. Eu pensava que o mistério UFO era interessante o suficiente para dedicar alguns anos da minha vida nisso. Se houvesse alguma verdade sobre o assunto, eu simplesmente teria que saber! Como eu poderia relaxar e não fazer nada se uma nave extraterrestre estivesse mesmo aqui?


GEUC-RS
: Pesquisando sobre você na internet, descobrimos que você não se considera um ufólogo, mas apenas uma pessoa tentando entender o fenômeno UFO, correto?
PAT: Quando penso “ufólogo”, eu penso em nomes como Stanton Friedman, A. J. Gevaerd, Richard Dolan. Esses são pesquisadores sérios que estudaram o fenômeno por décadas. Eles escrevem livros, eles palestram em conferências – eles fizeram da Ufologia sua missão de vida. Eu não me considero dessa classe de pesquisador UFO. Eu sou um cara comum com uma curiosidade muito forte a respeito do mundo no qual vivemos. Não apenas sobre UFOs, mas sobre todas as coisas. Eu suponho que você poderia me chamar de “buscador da verdade” ao invés de pesquisador ufológico. UFOs são um assunto que me parece muito vago e nebuloso... E eu não gosto disso. Eu não gosto de ter uma realidade nebulosa. Eu gosto de saber das coisas. Eu gosto de saber a verdade.

Eu aceito que algumas coisas nós não possamos saber no momento. Mas, com UFOs, me parece haver uma chance de entender alguma coisa. Então, eu pensei em dar uma pequena olhada. Quis dar uma olhadela por trás da cortina. O que eu descobri é que por trás dela, há mais cortinas, e, então, um espesso nevoeiro. A busca pela verdade em relação aos UFOs não é uma tarefa fácil.

Depois de três temporadas de UFO Hunters (Caçadores de Óvnis), eu posso dizer que dei uma boa olhada’. Eu cheguei a conclusão de que é perigoso focar excessivamente em UFOs. Muitas pessoas acham que podem resolver o mistério, mas elas estão tentando resolver algo que é presentemente desconhecido. Nós não temos informações suficiente para dizer com certeza o que os eventos UFO são. Eu já vi pessoas ficarem desequilibradas por terem se envolvido muito com UFOs, como elas caem numa espiral descendente em direção a uma insanidade ufológica, acreditando em todos os tipos de coisas. Eles se perdem nisso.

A questão UFO é extremamente intoxicante. A possibilidade de que ETs estão aqui, pairando em nossos céus, e que podem vir a se revelar a qualquer dia é tão excitante de contemplar que pode ofuscar a vida normal de algumas pessoas. E o resultado é uma ladeira escorregadia em direção à loucura. Uma vez que as pessoas comecem a acreditar que existe uma presença alienígena por aqui, é difícil traçar uma linha entre realidade e imaginação. Eu conheci uma mulher que não podia dormir porque tinha certeza que os aliens visitavam-na toda noite. Ela se tornou paranóica e delirante, comprando cristais e dispositivos para manter a energia alienígena longe. Conheço pessoas que estão fora toda noite com vídeo câmeras caçando UFOs, esperando que finalmente capturem um em vídeo. Isso leva suas vidas.

Os UFOs tornam-se uma obsessão, assim como as respostas que continuamente se esquivam e fogem. Uma pessoa teimosa pode sentir-se tentada a continuar perseguindo-os por sua vida inteira, até o seu último suspiro. Então, seguir essa estrada não é para mim. Eu simplesmente não quero acabar como J. Allen Hynek, pensando em UFOs no seu leito de morte, imaginando a verdade até o final, e possívelmente nunca tendo a resposta. Isso aconteceu com a maioria, se não com todos ufólogos, que levaram a busca para os seus túmulos. Eu imagino que Albert Einstein no seu leito de morte, rabiscando loucamente em seu diário, ainda perseguindo a Teoria da Grande Unificação (ou Grande Teoria da Unificação), tentando encontrar uma única equação que resolveria tudo. Não é dessa maneira que eu quero ir.

Eu gosto da vida na terra e de ser humano. Se os aliens estão escondidos, deixe-os escondidos. Se eles quiserem se mostrar depois, deixe-os se mostrar. Se aliens invisíveis estão no meu quarto, e não há nada que eu posso fazer, é provavelmente melhor não se preocupar com isso.

Então eu irei deixar a pesquisa ufológica para os pesquisadores de UFO – os especialistas que não estão preocupados em ficarem loucos com essa questão. Eu irei deixá-los lidar com isso. Eu durmo bem a noite, sabendo que pessoas dedicadas como Richard Dolan, Stephen Basset e Nick Pope estão trabalhando pra descobrir sobre tudo isso.

Não, eu não sou um pesquisador UFO, e eu não quero ser um. Eu gosto de buscar a verdade, mas não correndo o risco de buscar algo inalcançável.


GEUC-RS: Também na internet, descobrimos que a série ‘in search of’ e filmes como ‘Close Encounters of the Third Kind’ (Contatos Imediatos do Terceiro Grau) serviram de estímulo para aguçar sua curiosidade pelo desconhecido. Mas foi um avistamento em 2004 que iniciou sua incursão ao mundo UFO.

PAT: Esses programas me agitaram quando eu era jovem. Eles perguntavam questões maiores do que em outros programas. ‘In Search Of’ vagava pelo mundo, dando uma olhada nas coisas que não compreendíamos – como o que aconteceu com as pessoas da Ilha da Páscoa? É uma pergunta legítima que podemos aprender. Nenhum outro programa questionava. E eu amava isso. E desde então eu sempre questionei o porquê das coisas serem como são.

Eu amo explorar, especialmente coisas estranhas. E sempre teve uma parte minha que questionava os UFOs. Steven Spielberg pode ter tido um interesse semelhante porque em ‘Contatos Imediatos de Terceiro Grau’, ele criou um filme baseado na realidade da experiência UFO, trabalhando de perto com o Dr. J. Allen Hynek que era a principal autoridade de UFOs na época. Hynek liderou o estudo ufológico da força aérea americana, e tem uma extensiva coleção de relatórios sobre UFOs ao redor do mundo, que eu tenho noção de que vocês leitores já sabem. O filme de Spielberg foi uma ficção baseada na realidade dos relatórios sobre UFOs, tornando-se de grande importância pra história da ufologia.

Meu interesse mais sério por UFOS não iniciou realmente antes de 2001 quando assisti o “Disclosure Project”, lançado na internet. Havia este grupo, que aparentemente era composto por pessoas normais – empregados do governo, pilotos e militares formais – pessoas sérias, falando seriamente sobre UFOs. Foi algo novo e muito interessante – Eu não poderia ignorar, e retornava para isso de novo e de novo para escutar cada testemunho. Eu estava convicto de havia algo mais ali. Mas, sim, você está certo, eu não me envolvi ativamente até ter uma experiência.

Em 2004, eu estava descendo por uma rua com um amigo, e vimos o que parecia ser um disco prateado no céu. Nós nunca vamos saber realmente o que vimos, e isso me deixa louco, o que era aquilo? Um balão? Um avião militar? Um avistamento ufológico?

Então, eu comecei a trabalhar em um documentário sobre UFOs. O documentário nunca foi completado, pois descobri que o tema é vasto e pesado – muito para ser contido em um único filme. Entretanto, o conteúdo que eu coletei eventualmente evoluiu para o “UFO Hunters”.


GEUC-RS: Por causa desse avistamento você foi buscar as respostas. A conseqüência disso foi se tornou um documentário: Visitors – Califórnia UFO Wave (2004)? O que você aprendeu dessa experiência?

PAT: Eu realmente gostaria de esquecer tudo sobre esse documentário. Não é muito bom, na minha opinião. Foi um esforço em conjunto com o cineasta David Sereda, e o expert em óvnis, Mark Olson, em Sonora, Califórnia. O que aprendi é que cozinheiros demais estragam uma sopa, e diretores demais estragam um filme. O resultado foi um péssimo documentário. Mas eu aprendi o básico da produção de filmes, que me permitiu ir e criar a demo para “UFO Hunters”.


GEUC-RS: Este documentário foi a semente, por assim dizer, para falar da existência dos Caçadores de UFOs (UFOs Hunters) , correto?

PAT: Sim, foi mesmo. Muito do material filmado em “Visitors” fez-se útil no demo original de “UFOs Hunters”, que foi usado por Bill Birnes para lançar a série. Depois veio o Mark Olson, que estava na terceira temporada. Então com ele fechou o círculo.


GEUC-RS:É muito difícil convencer as pessoas a darem seus testemunhos sobre UFOs? Há medo de exposição ou preconceito sobre o assunto?

PAT: Isso é verdade até certo ponto, mas varia de caso para caso. Algumas pessoas ficam tão comovidas com a sua experiência que querem dividir isso com o resto do mundo. Algumas pessoas têm medo de suas experiências e não querem falar sobre isso. A benção real de “UFO Hunters” é que ele proporcionou um legítimo e hospitaleiro fórum para as pessoas compartilharem suas experiências, algumas após anos de absoluto sigilo– como, por exemplo, o Sargento Earl Fulford a respeito do local do acidente de Roswell, e o Sargento Chuck Sorrels em 1965 no evento na base da força aérea. Essas pessoas mantiveram segredos porque elas tiveram que fazer isso. O segredo era parte de seus trabalhos. Elas me contaram que foi um fardo que elas tiveram que carregar por décadas, e foi um alívio enorme finalmente contar suas histórias.

E também, depende de quem estiver fazendo a entrevista. As pessoas podem ser hesitantes em se abrir para algum investigador particular, mas podem sentir-se mais confortáveis com uma organização legítima como o History Channel. As pessoas desejam ser levadas a sério, e esperam entender melhor suas experiências.


GEUC-RS: Dos casos tratados na série, qual deles chamou mais sua atenção? Por quê?

PAT: Eu amo os casos onde existem evidências contundentes de que algo bizarro realmente aconteceu. Esses casos envolvem testemunhas de alto calibre com reputação impecáveis, evidências residuais altamente incomuns como a radiação, comportamento incomum de militares ou péssimas e cômicas explicações como um gás de pântano.

Esses são alguns dos meus casos favoritos da série:

a) UFOs over Edwards Air Force Base (Código Vermelho-2008)

b) RAF Bentwaters, Rendlesham Forest (Militares vs. óvnis-2008)

c) Chicago Ohare. (Aliens no Aeroporto-2009)

d) Cash Landrum (Preciptação Radioativa Extraterrestre-2009)

a) No incidente em 1965 da base da Força Aérea de Edwards, existem evidências contundentes de que algo muito estranho aconteceu. Nós temos múltiplas instalações de radar ao redor de toda Los Angeles para detectar objetos estranhos sobre Edwards. Isto foi corroborado por dois pilotos de F-16 distintos, e do testemunho central do Sgt. Chuck Sorrells, que estava na torre de controle na noite do incidente. Eu entrevistei pessoalmente Sorrels e vi como ele persistiu na luta contra esse incidente, por várias décadas depois. Algo bastante incomum ocorreu em Edwards naquela noite. É impossível de explicar esse incidente de alguma forma. Profissionais de diferentes áreas forem incapazes de identificar orbes brilhantes sobre uma instalação militar. Eu recomendo que todo mundo ouça as gravações de áudio deste evento.

b) O caso Bentwaters envolve o testemunho de vários militares que apostam sua reputação em seus relatórios sobre UFO, e, sendo um desses homem, o vice-diretor de uma base da força aérea americana localizada no Reino Unido. Eu falei pessoalmente com o Coronel Charles Halt. É difícil duvidar de um homem com suas credenciais e reputação. Este foi um grande episódio de UFO Hunters.

c) Este acidente no aeroporto Chicago O’Hare provocou notícias internacionais, dando ao website do Chicago Tribune mais de um milhão de visitações, o maior número já registrado. As pessoas queriam saber o que aconteceu sobre o aeroporto mais movimentado da América. Várias testemunhas oculares, pilotos e equipes de terra informaram que um disco metálico fez um buraco no céu nublado daquele dia. O poderia ter causado aquilo? O que estaria pairando sobre um dos aeroportos mais movimentados do mundo? Como várias pessoas puderam relatar a mesma coisa?

d) Cash-Landrum é um tragédia da vida real. Três civis inocentes em uma viagem pela estrada viram-se próximos de uma armada de helicópteros que escoltavam ou transportavam um objeto muito estranho, descrito por eles como um OVNI em forma de diamante, emitindo um ar quente. Betty Cash, que saiu do carro para dar uma olhada no objeto, posteriormente desenvolveu sintomas de uma doença causada pela radiação, verificado por relatórios médicos e testemunhos. Esta é uma tragédia muito real, e nesse episódio, o UFO Hunters podem ter descoberto um dos casos mais famosos de todos os tempos da Ufologia.
GEUC-RS: Algum dos casos estabelecidos deixaram evidências ou engano por parte das testemunhas?

PAT: Sim, há evidência disso. Bill discutiu sobre não fazer o episódio de “The Maury Island” – afirmando que a evidência ufológica era muito fraca. O caso envolvia UFOs em forma de rosquinhas gigantes, tendo um deles derrubado um resíduo dentro do Puget Sound. Não há um modo de sabermos se isso realmente aconteceu, ainda mais porque estávamos dependendo de uma testemunha ocular primária, Harold Dahl, que pode ter inventado o avistamento todo. Esse é o problema em geral da investigação UFO – confiar nas testemunhas. Confiamos, por exemplo, em Betty e Barney Hill? Se você confiar neles, eles são abduzidos. Se você não confiar neles, então eles são simplesmente duas pessoas muito imaginativas. Pessoalmente, O caso “Betty e Barney Hill” é engraçado para mim. Se você ler a descrição inicial de Betty, os alienígenas usavam pequenos chapéus. Alguns anos depois, ela deixou os chapéus de fora. Sua descrição dos alienígenas mudava. A descrição dela deixava o caso um pouco confuso para mim. Eu não gosto de confusão.

Este foi o maior problema dos episódios de investigação sobre os greys e todo o fenômeno de abdução. Era difícil obter uma prova irrefutável.

Em um caso particular de contato alienígena, nós filmamos uma cena de uma abdução ufológica. Eu irei proteger o nome da vítima. Também tivemos um hipnotizador profissional para regredir com o abduzido. Todos da equipe do UFO Hunters estavam no local para a cena – as luzes estavam ligadas, câmeras e som estavam rolando, e o abduzido relatou sua experiência. Ele descreveu sentimentos de medo como os de uma criança, e uma sala em uma casa onde ele não podia ir. Sua avó estava tentando protegê-lo. Uma criatura entrou em seu quarto. O experimentador gritava no sofá, amedrontando a equipe inteira. E então todos nós começamos a ficar enojados, pois se tornava claro para nós que ele estava descrevendo uma cena de abuso sexual infantil, talvez incesto ou estupro. Toda a equipe permaneceu em silêncio e desconfortável com a situação. Não havia nada de extraterrestre naquilo. Essa cena não poderia ser usada na série. Então, neste ponto, tivemos meio que uma decepção, mas não intencional. Foi mais como um engano a nós mesmo. Algumas pessoas “abduzidas” acreditam estar em contato com UFOs e ETs, quando na realidade, é algo bem diferente.

Eu também quero trazer o fator doença – algo que é freqüentemente falado nas discussões de programas de rádio sobre UFOs ou assuntos paranormais. Uma grande parte de histórias ufológicas originou-se de pessoas com doenças psicológicas – problemas de personalidade, delírios paranóicos e assim por diante. Existem pessoas que acreditam que alienígenas invisíveis estão em baixo de suas camas, ou que eles foram escolhidos por uma federação intergaláctica para salvar a humanidade. – e pessoas como essas contribuem para a área de conhecimento da ufologia. As pessoas gostam desses assuntos , ligam para programas de rádio, escrevem livros, etc. Mas eles turvam as águas de nossos casos sérios. E temos que levar isso em conta.

Quanto as fraudes intencionais, nós selecionamos e filtramos essas histórias antes de permirtir que elas se tornem episódios. Nós permanecemos longe de qualquer coisa que seja engraçada. 

GEUC-RS: A ciência é a única ferramenta que pode ser usada afim de explicar o fenômeno UFO?

PAT: Eu acredito que sim, a menos que você acredite em videntes e médiuns. Uma transmissão mediúnica de um alienígena não nos dá muito.

Em um episódio em que fizemos isso – em Sedona, Arizona, deixamos uma médium transmitir a mensagem de um alienígena para nós. Ela sentou, entrou em um transe e vozes de outros mundos vieram para a boca dela. A equipe permanecia ao redor e assistia, com a câmera e o som rolando, e foi muito difícil de segurar as risadas. Parecia tão ridículo. Ninguém poderia levar aquilo a sério, mesmo se um alien realmente estivesse se comunicando através dela. Nós simplesmente não temos meios de confiar em informações vindas de videntes, médiuns, sonhadores, etc. A menos que haja algum jeito de provar.

Do outro lado disso, nós entrevistamos outro tipo de vidente que parecia ter alguma influência – Joseph McMoneagle. Ele estava no exército americano e era o visualizador remoto número 1 de um programa de guerra secreta do governo dos EUA. Joe usou suas habilidades paranormais dentro do fenômeno UFO e deu-nos algumas informações interessantes. Mas podemos tomar como fato essas visões de um vidente do governo? Então eu botei isso numa caixa separada, marcada como “interessante”.

Então, sim, eu acredito que a ciência é a nossa melhor aposta. A ciência reduz muito o ruído e a especulação. Sem o método científico, nós ainda estaríamos acreditando que os raios eram provocados por deuses irritados, ao invés de cargas elétricas na atmosfera. A ciência é apenas observação humana e o entendimento do por que das coisas acontecerem.

Dito isto, a ciência não tem uma visão completa do universo. Não foi há muito tempo atrás que muitos cientistas pensavam que a vida não poderia existir sem a luz do sol e a fotossíntese. Esse fato foi ensinado nas escolas, e todos nós aprendemos como um tipo de dogma científico. Mas agora nós sabemos que há criaturas que existem na total escuridão, vivendo em torno de aberturas vulcânicas no fundo do oceano, vivendo em uma espécie de quimiossíntese, criando alimentos através de processos químicos.

Então em algum lugar cientistas devem dizer “Oops! Desculpa, pessoal! Nós estávamos errados! Na verdade, existe vida em todos os lugares, inclusive nos planetas escuros sem luz solar alguma. A ciência é a melhor ferramente, mas o corpo do conhecimento científico não está completo. E nós precisamos ser cuidadosos com cientistas dogmáticos que pensam saber tudo.

A ciência é baseada na observação, e óvnis são um fenômeno observado. O grande problema é que os eventos ufológicos são observados por poucas pessoas relativamente, e raramente observados pela ciência, então é muito complicado em concordar sobre o que os óvnis são. Quando um cientista afirma para mim que óvnis não existem, eu gosto de pensar sobre quimiossíntese. 

GEUC-RS: O programa UFO Hunters foi cancelado na terceira temporada, mesmo tendo uma grande audiência e aceitação. Por que você acha que foi cancelado?
PAT: Existem algumas razões. A conclusão mais óbvia para mim é que a audiência não ficou feliz com as grandes mudanças feitas na terceira temporada, então eles deixaram a série. O History Channel mudou o formato do programa, incluindo muito mais da técnica da “caixa branca”, talvez de um modo excessivo. Eles tiraram o narrador. Os episódios na terceira temporada foram narrados pelo Bill Birnes, então perdemos a voz da investigação objetiva. Perdemos o Dr. Ted Acworth que não podia mais viajar porque sua esposa teve um filho, e ele precisou ficar em casa. Ele se voluntariou a fazer o show de casa, mas a rede não quis. Então o History Channel escolheu Kevin Cook como o substituto do Ted. Kevin não era ruim, mas o programa perdeu todos os fãs de Ted Acworth.

Eles também não estavam satisfeitos com a natureza mundana de alguns dos casos ufológicos, então eles quiseram aumentar um pouco o volume com episódios que estavam um pouco acima da média. Por exemplo, eu andando de caiaque com os tubarões – uma total idiotice – mas esse é o tipo de coisa que o canal queria. Eles pensaram que o público gostaria disso.

Eu acredito que a falha deles foi de não entender a audiência do UFO Hunters. Essas pessoas não são as mesmas que assistem caminhões dirigirem através do gelo, ou derrubando árvores. Pessoas interessadas em casos ufológicos são verdadeiramente observadoras, detetives e investigadoras. Elas estão interessadas nas melhores evidências, e não em besteira. E eles não se importam se Pat Uskert remar ao redor dos tubarões ou dirigir através do gelo. O público pode sentir o cheiro da artificialidade. O erro do History Channel foi em trocar o foco do programa para longe dos UFOs e mais perto dos pesquisadores, afim de fazer uma espécie de drama de televisão, semelhante a programas como Ice Road Truckers (Caminhoneiros do Gelo). Eles adulteraram uma fórmula da qual a audiência já estava satisfeita, em minha opinião.

Agora, algumas pessoas especulam que tudo isso, esse declínio rápido de um programa de grande sucesso com uma terceira temporada absurdamente diferente, foi projetado. Mudanças foram feitas intencionalmente para afundar a série. Essa não é uma teoria maluca.

No último episódio da segunda temporada, nós fomos muito perto da Área 51, na verdade, filmando as instalações com câmeras de alta definição em HD. Algumas pessoas especulam que isso irritou as pessoas erradas e alguns telefonemas foram feitos. Muitos episódios exploraram casos sérios envolvendo decepções do governo. Pense nisso. Em um tempo quando a América estava dividida pelas guerras no Irã e Afeganistão, criaram o estranho “Department of Homeland Security”, fizeram mudanças na constituição americana, havia um programa que pairava em torno das bases militares, tirando fotos, examinando despesas e o desenvolvimento de armas – pode ter sido muito subversivo e anti-governamental. Não é uma teoria maluca de todo. Mas eu não tenho prova disso.

GEUC-RS: Você conhece algum caso ufológico brasileiro?

PAT: Há! Mas é claro! Eu e Bill estávamos rondando o Brasil desde o início, e nós poderíamos ter ido se houvesse tido uma quarta temporada. Nós queríamos fazer uma serie de programas na América do Sul, incluindo o Brasil. Eu imaginei um episódio no Brasil, onde pesquisadores brasileiros como A. J. Gevaerd nos guiariam nos seus melhores casos, com uma completa investigação de Varginha, chamado de “Roswell brasileiro” por alguns. E todo mundo conhece o famoso caso de Antonio Villa Boas – o primeiro relato de sexo com alienígena! Eu acho que é hilário o que Boas diz sobre extraterrestres não serem muito bons de cama. Eu tenho certeza de que seria um ótimo episódio.


GEUC-RS: Aqui no Brasil, existe uma campanha nacional que pede pela liberação de documentos oficiais de casos ufológicos brasileiros, que são mantidos secretamente pelo governo. Na sua opinião, por que os governos tornam difícil ou até mesmo negam o acesso a essas informações, considerando que o fenômeno UFO faz cada dia mais parte de nossas vidas? Não há como negar que fenômenos de natureza ufológica ocorrem em todo o nosso planeta.

PAT: Há um grande número de teorias do por que de alguns governos não reconhecerem os UFOs – Eu não sei qual é a resposta correta, mas nós podemos especular. A resposta mais comum que eu ouço é que os governos não podem revelar essa informação porque assustaria o público, causaria conflitos nas religiões do mundo e a queda do mercado global de ações – o mundo como conhecemos jamais seria o mesmo. A confirmação de que alienígenas estavam na terra. Imaginem isso. Mesmo uma pequena admissão poderia abrir a caixa de Pandora, pois o público iria querer saber mais. Então, eles mantêm uma tampa apertada na caixa.

Outra tese defendida é de que certos grupos se beneficiam com esse segredo. Alguns dizem que o Complexo Industrial Militar está estudando a tecnologia extraterrestre de propulsão para o uso em armamento militar americano. Os militares e as empresas que desenvolvem a tecnologia deles teriam muito a perder, se o público viesse a saber que isso está acontecendo. Eles guardam esse segredo com todos os métodos possíveis – Assassinatos, propaganda, desinformação ou o que for necessário.

Outra teoria é de que os avistamentos ufológicos são aeronaves militares ultra-secretas. A aeronave deve ser mantida em segredo, e as histórias de UFOs são deliberadamente espalhadas pelos militares para confundir o público. Essa é uma estratégia brilhante para esconder projetos secretos em uma cortina de fumaça de desinformação e confusão. Eu acredito que este seja freqüentemente o caso. A maioria das pessoas não tem tempo e energia para ir além da confusão, então eles deixam como estão. As luzes de Phoenix no estado do Arizona (EUA) em 1997 podem ser um bom exemplo disso. Havia mesmo uma gigante nave alienígena lá ou não? Foi apenas um projeto militar? Ninguém parece concordar. A confusão é perfeita, e iremos permanecer nela por anos... Mesmo se houve realmente um UFO lá. Podemos nunca saber.

Se vocês recordam, os EUA utilizaram de confusão para invadir o Iraque. É um método extremamente eficaz de embaçar a verdade. Logo após o World Trade Center cair, os EUA bombearam o Iraque. Havia todo o tipo de informação sobre bombas de urânio, estranhos tubos de alumínio e armas de destruição em massa escondidas magistralmente, e um vilão chamado Bin Laden, que por sinal foi o inimigo público número um, mas que agora é raramente mencionado nas notícias(A entrevista foi feita antes da morte de Bin Laden). Depois, o próprio presidente Bush admitiu não haver nenhuma ligação entre o Iraque e os atentados de 11 de setembro, como se toda a coisa fosse um sonho estranho. Era tudo tão confuso que o público simplesmente deixou continuar. Até hoje, não há grande manifestações, nenhum tumulto nas ruas por terem invadido um país que não tinha conexão alguma com o 11 de setembro. O público está muito confuso e dividido, sem saber o que pensar. E eu acredito que essa incerteza ao redor da questão UFO tem o mesmo efeito. Não se engane, os Estados Unidos da América é um mestre mundial em propaganda e desinformação. Ninguém faz melhor.

Meu sentimento é de que não importa qual dessas teorias estão corretas, os UFOs nunca serão uma questão importante a menos o público exija por isso, com tumultos nas ruas. O governo é uma burocracia, com pessoas em consultórios confortáveis recebendo bons salários do governo até sua gorda aposentadoria. As coisas se movem devagar em meio a burocracia. Ninguém quer se meter no assunto, então os segredos continuam enterrados. O assunto UFO é um grande tabu que ninguém quer tocar. O ridículo ao redor do assunto é um muro de ferro. A menos que o público inicie as exigências por informações sobre UFOs com grande demonstrações nas ruas, então essa informação não sairá do lugar.

Eu acho que nós ainda não atingimos um consenso internacional de que o fenômeno UFO é algo importante. Muitos dos seus leitores devem estar curiosos sobre UFOs, mas para milhões de pessoas no Brasil e no resto do mundo, é uma realidade que não tem qualquer influência sobre suas vidas diárias. Simplesmente não é uma problema significativo para a maioria da população mundial. A maior parte do planeta não se importa sobre a questão UFO.

Nesses dias, o diálogo que a maioria das pessoas está tendo é sobre a economia, empregos, desempregos, o preço do gás e da comida, guerras empíricas da América. Então, discutir sobre UFOs e se importar sobre UFOs é um grande luxo do qual a maioria das pessoas não tem tempo de ter. Tente discutir esse assunto em uma universidade ou apresentar isso como uma proposta séria na sua próxima eleição governamental e veja o que acontece. Provavelmente, nada. As pessoas estão mais preocupadas em passar manteiga em seu pão agora. E eu acredito que a maior parte do mundo é assim.


GEUC-RS: Quais são os seus planos e projetos para o futuro? Eles estão conectados com a ufologia? Nós podemos esperar pelos Visitors 2?

PAT: Eu não tenho planos no momento envolvendo o assunto Ufologia. Eu estou dando um tempo da televisão e dos UFOs. Mas eu sinto que nós deixamos alguns assuntos não-finalizados com o UFO Hunters, e eu planejo retornar. Eu estou falando com Bill a respeito de fazer um episódio final de UFO Hunters, produzido por nós e sem o History Channel. O problema é que o History Channel é detentora do nome “UFO Hunters”, então, precisamos de um novo... Alguma sugestão?

Tradução e adaptação: Lucas Vasconscellos / GEUC-RS

9 comentários:

Anônimo disse...

façam um novo programa de ovnis

Anônimo disse...

eu tambem serei um caçador de ovnis

Anônimo disse...

eu tambem serei um caçador de ovnis ou seja um ufo investigador

Anônimo disse...

por favor pat bill e ted,façam a quarta temporada dos caçadores de ovnis por que eu adoro voces

Anônimo disse...

pat,bill,ted e kevin eu sou fã de voces e do que voces fazem espero conhecelo um dia

Anônimo disse...

pat,bill,ted e kevin eu sou fã de voces.
pat e bill eu sou fã do que voces fazem , porque voces sao os verdadeiros caçadores de ovnis

Anônimo disse...

pat eu sou o seu maior fã ,
eu sou fã de ti e do que voce faz na ufologia

daluz disse...

ótima entrevista! Torço para que o programa volte em outro canal!
Luciano Daluz
www.milagroufo.net

Anônimo disse...

o programa era foda e pat é um grande investigador, ele e o bill!!

Postar um comentário